Correio!

quarta-feira, 20 de abril de 2011
Hoje tem carta!
O carteiro passou cedo e deixou uma embalagem pra você, e estranhamente no exterior está escrito: Só abra quando a saudade ameaçar te rasgar!
Pois bem, é seu. Tem seu nome no destinatário, e acho que é coisa importante, veio numa caixa de 'cuidado frágil' e está embrulhado com um laço de fita roxa muito elegante se quer saber.
Ah, e tem um cartão... Hum, quem mandou se importou com os detalhes, usou as suas cores preferidas e todos os seus trejeitos no embrulho, de alguma forma, lembram você. Mesmo que não houvesse um destinatário, garanto que qualquer um seria capaz de afirmar que isto é seu, tem sua cara, seu jeito, sua cor, seus detalhes.
Talvez era essencial ao remetente que você percebesse que ao fazer a correspondência, ele ou ela estava pensando em você e mais, que todas as vezes que você se visse, sentisse o próprio cheiro e as cores no embrulho, automáticamente lembrasse de quem te mandou e tenho que confessar que se esta foi a intenção, o indivíduo conseguiu.
Interessante, é como se existisse um manual de você rolando por ai, com encaixes e truques e formas de funcionamento, um livro que ensine você. Foi fácil entender que o embrulho tem tudo que deixaria você feliz por uns quatro dias... Vai ver que é isso. Alguém que quer ser lembrado por um tempo específico. Acho bom, é alguém que gosta muito de você, que te acha muito importante, e com certeza quer te levar junto pra todo lugar.
Ah, não aguentei. Peguei o cartão e dei uma olhada, está escrito assim: "Amanhã não estarei aqui, hoje vou, não sei se volto, afinal a vida é tão incerta e tão escorregadia, mas eu tiha que levar um pouco de você e deixar um pouco de mim, nesta caixa está o meu coração, por favor não o deixe parar de bater, ne ficar seco. Cuide bem, daquilo que hoje é seu. Quando eu voltar você devolve, ou não, a gente combina o que faz ou troca pelo seu. Vê se não me esquece.
Ainda amo como no início, como sempre, receio que amanhã mais.
Com amor, Dear."

3 comentários:

  1. Alê disse...:

    Caio disse: 'que as cartas cheguem, que os telefones toquem'


    A gente sempre tem de hoje, amar mais que ontem, e mesmo assim, há de ser menos que amaremos amanhã...


    =)

  1. Karla disse...:

    Parabéns pelo texto!!
    Lindo!!

  1. Este comentário foi removido pelo autor.