Felicidade...

domingo, 10 de abril de 2011
Estávamos ontem nós e as nossas subjetividades da madrugada. Na mesma noite em que eu li o melhor texto de toda a minha vida, não por ser um texto espetacular, ou de autor célebre, e sim por que era uma leitura clara das coisas que me aconteceram e vieram influenciar o meu atual processo de reestruturação.
Ando assim: Me moldando, me refazendo, me repaginando. Mudança!
E nesse ciclo que eu comecei, muita coisa ficou diferente, deixe-me explicar melhor, o meu jeito de sentir a vida anda em estado de metamorfose, e por este motivo não tinha escrito um texto meu por estes dias, principalmente sobre isso, acontece que escrevo bem quando não estou muito bem, é que se me sinto triste consigo escrever os sentimentos, transformá-los em palavras e delas fazer versos. Mas se estou feliz não consigo falar, é tão contraditório isso, até porque quando estou muito feliz se você chegar perto o bastante vai conseguir sentir o cheiro dessa felicidade, mas me é totalmente impossivel conseguir expressá-los. Porém depois de uma conversa decidi ao menos tentar. Segue abaixo tudo que consegui:


Hão todos de concordar comigo que quando se é feliz, se é por completo.
Isto é diferente de ser alegre, pois quando se é assim só há alguns momentos considerandos felizes.
Quando se é feliz, no sentido mais puro da palavra, as coisas ou situações ruins que acontecem são encaradas como parte do processo de amadurecimento.
Ser feliz é estar bem consigo, saber que mesmo que sejam díficeis, as decisões certas precisam ser tomadas. É chorar um dia porque ninguém é de ferro, mas ter consciencia que o choro é o primeiro passo para lavar a alma e deixá-la limpa e pronta pras coisas melhores que virão. É ter pro coração uma trilha sonora, pra que em cada momento da vida se tenha uma música pra dançar. É saber-se só quando se é necessário, sem ter de apelar aos melo-dramas que vêm conosco de fábrica, e saber-se cheio de amigos nas horas em que o sentimento, quer seja bom ou ruim, não cabe mais no peito. É  estar certo que tudo acontece a seu tempo se eu decido não atropelá-lo, afinal o tempo e a vida ensinam, mas cabe a nós escolher o método do aprendizado. É sentir-se inteiro mesmo quando o que se considerava metade tem de ficar no meio do caminho. É abrir-se ao novo, aceitar os puxões de orelha, digerir os conselhos mesmo que estejam com a data de validade vencida, estar certo que se uma metade ficou pra trás outra está por vir. É acima de tudo sentir-se bem consigo mesmo porque quando a gente ta bem com a gente, automáticamente aprende a selecionar o que combina ou não com esse nosso estado de espírito.
Ah, e se a felicidade foi encontrada no caminho, não há motivos para querer chegar ao destino. Atenha-se às flores desta trilha e deixe que o final da estrada a vida se responsabiliza de pintar.

4 comentários:

  1. "Ah, e se a felicidade foi encontrada no caminho, não há motivos para querer chegar ao destino. Atenha-se às flores do caminho e deixe que o final da estrada a vida se responsabiliza de pintar."

    - Sabe o que eu estava pensando?
    - O que?
    - Quanto tempo será que isso tudo vai durar?
    - Não penso nisso, vivo o agora e o amanhã.
    - E você o que tem pensado ultimamente?
    - Tenho me perguntado onde vai dar tudo isso...
    - Mas quer saber, pouco importa onde vamos chegar. Importante mesmo é que o caminho tá sendo tão bom que o destino pouco importa...

  1. Alê disse...:

    E tantas vezes pra encontrar essa felicidade é necessário introspecção... E daí ficamos fortes, aprendemos o que é efêmero e o que vale a pena...


    Felicidades mil na sua vida,


    Bom domingo,


    Bj

  1. eu li o melhor texto de toda a minha vida, não por ser um texto espetacular, ou de autor célebre, e sim por que era uma leitura clara das coisas que me aconteceram e vieram influenciar o meu atual processo de reestruturação....
    ow colega manda o link desse texto p mim....please!!!Quem sabe esse texto me ajude...não custa nada tentar e ajudar o outro ,né?
    db31385@gmail.com
    bj